burburinho

anne bonny, a pirata

miscelânea por Priscila Martins

Anne Bonny foi deserdada pelo seu pai quando quis se casar com James Bonny. Como vingança, queimou toda a plantação da família na Carolina do Sul, por volta de 1710, e foi para o porto de New Providence - o paraíso dos piratas - freqüentado por Capitão Kid e Barba Negra. Nem bem chegando já mostrou a que veio dando um tiro que arrancou a única orelha de um sujeito que insistia em bloquear sua passagem enquanto desembarcava. Logo depois, dispensou o marido James e viveu de barco em barco como amante de vários piratas, entre eles o Capitão Jennings e Rackam, o Terrível.

Vivendo o tempo todo cercada por homens, Anne fez vários amigos, mas seu preferido era o pirata Pierre Bouspeut que, além de gay, era cabeleireiro e costureiro. Desde aquela época as mulheres já gostavam de ter um amigo gay. Foi Pierre quem confeccionou para Anne o modelito que ela vestia quando sua trupe furou um bloqueio da armada britânica. Calça de veludo preta e da cintura pra cima... nada! Apenas sua espada na mão direita e um lenço de seda na esquerda dando adeuzinho aos ingleses. Depois deste episódio um de seus comandados começou a olhá-la de um jeito malicioso. Anne nem quis saber. Pôs logo um fim no olhar comprido do moço dando-lhe um tiro no meio da testa.

Voltando para o porto de New Providence, Anne conheceu Mary Read. Mary havia nascido na Inglaterra e desde pequena sua mãe a vestia como homem para não perder a herança da avó, que só seria liberada caso o neto fosse um varão. Depois de conseguir a herança, a mãe de Mary disse que ela poderia a partir de então usar roupas femininas. Mas Mary não quis de jeito nenhum, pois estava perfeitamente adaptada àquela indumentária e preferia vestir-se como homem. A mãe ficou furiosa e decidiu deserdar a filha. Mary então tomou seu rumo e embarcou numa galera holandesa, disfarçada de homem e sob o nome de Mark Read.

Mary viveu anos como pirata até ser capturada por uma armada inglesa que a trouxe para o porto de New Providence, onde conheceu Anne, durante uma espécie de julgamento coletivo de piratas. Após obter o perdão do governador, Mary - ainda como Mark - juntou-se a tripulação de Jack Rackham, também conhecido pelas alcunhas de Rackham o Terrível e Jack Calico, e então amante de Anne. Juntas no mesmo barco, a amizade das duas começou a se estreitar, para ira do ciumento Jack. Até que um dia, ao entrar na cabine, Jack pegou as duas em flagrante, nuas, deitadas e entrelaçadas na cama.

Não se sabe se sua surpresa maior foi pegar as duas na cama ou ter descoberto que o tal Mark era na verdade Mary. Também nunca foi muito claro o motivo do marido traído não ter se vingado naqueles tempos de olho por olho.

A partir deste episódio, as duas foram se comportando cada vez mais como um casal, já que Mary facilmente se passava por homem. Elas continuaram juntas a saquear barcos e portos, comandando operações, atirando e matando sem pena nem dó. Algum tempo depois foram capturadas na Jamaica e, para escapar da sentença de morte, alegaram estarem grávidas, o que era uma enorme mentira. Mary acabou morrendo de febre na prisão e Anne, depois de receber perdão oficial, nunca mais foi vista. Há quem diga que ela retornou para a família, casou-se e viveu uma vida pacata dali para frente. Outros juram que ela continuou pirateando pelos sete mares. Mas, quase como tudo em sua história, poucas certezas existem. No final, a lenda ganhou vida mais longa que os fatos.


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.