burburinho

memórias musicais do cárcere

música por Ayrton Mugnaini Jr.

O grupo paulistano Detentos do Rap entrou para a história da música feita no Brasil ao ser o primeiro a gravar um disco (sem título, selo Fieldzz) num presídio brasileiro, a hoje extinta Casa de Detenção de São Paulo, no bairro do Carandiru. Antes deles, outros presidiários brasileiros com pendores musicais já haviam lançado discos, mas sempre após cumprirem pena e gravandos em estúdio, longe de suas mais famosas moradas; os Detentos do Rap e seus produtores improvisaram um estúdio numa sala do próprio Carandiru.

Fora do Brasil, porém, gravar discos em presídios já era uma tradição. O cantor country Johnny Cash fez desde os anos sessenta vários shows gratuitos em prisões no Texas, Kansas e Tennessee, e marcou época com dois excelentes LPs gravados em shows para detentos californianos, Johnny Cash at Folsom Prison e Johnny Cash at San Quentin, mais tarde reunidos num só CD. Estes discos de Cash (famoso também por sua frase "Hello, I'm Johnny Cash") fizeram tanto sucesso que o grupo country Sherwin Linton and the Cotton Kings gravou um LP na Penitenciária Estadual de Dakota do Sul com o título irônico de Hello, I'm Not Johnny Cash.

Johnny nem foi o primeiro a gravar discos numa prisão. De 1933 a 1957 a dupla de pesquisadores John e Alan Lomax (pai e filho) gravaram a música dos detentos da Penitenciária do Estado do Mississippi, mais precisamente na Parchman Farm, um algodoal onde se pagava a pena com trabalhos forçados (e, conforme lembra Alan Lomax, muita gente inocente era presa por nada só para completar a força de trabalho). Foi lá que os Lomax descobriram e revelaram para o mundo bluesmen como Bukka White (autor de Parchman Farm). Sim, aqui está a transição entre as worksongs dos escravos e o blues. Estas gravações renderam vários discos, e a safra de 1947 está num excelente CD da Castle, Murderer's Home, de 1990. Um pouco mais moderno foi o grupo vocal intitulado simples e objetivamente The Prisionaires, descoberto na Penitenciária Estadual do Tennessee por um pesquisador folclórico atrás de canções e histórias dos detentos. Contratados pela gravadora Sun, os Prisionaires conseguiram licença (e guarda armada) especial para sair da prisão só para gravar um disco, Just Walkin' In The Rain, a mesma composição de Robert Riley, Johnny Bragg e Buddy Killen celebrizada por Johnny Ray anos depois (Bragg, um dos Prisionaires, recebeu na prisão um cheque de 25 mil dólares pelo sucesso da gravação de Johnny).

Os Detentos do Rap comunicaram que resolveram abandonar de vez o crime. Pois bem, outros são bem menos compungidos. Charles Manson, notório assassino da atriz Sharon Tate e outros, é também compositor ocasional, e chegou a ter algumas de suas músicas gravadas em plena prisão. Idem G.G. Allin, o porra-louca-mor, que se entupia de drogas pesadas e só sossegou ao falecer de overdose.

Música inspirada na vida de presidiário, metafórica ou literalmente, é o que não falta. Uma rápida amostragem inclui Prisoner Of Love, Take A Message To Mary (hit com os Everly Brothers), Mr. Turnkey de Zager & Evans, I'm Here To Get My Baby Out Of Jail, Chain Gang de Sam Cooke, Born In A Prison de Yoko Ono, e um ciclo interpretado por Richard "Louie Louie" Berry, incluindo Riot In Cell Block Number 9 (como parte dos Coasters) e The Big Break. Tanto o grupo irlandês Thin Lizzy quanto o australiano AC/DC têm sucessos intitulados Jailbreak, fuga da prisão. Mais enigmáticos foram os Smiths ao nomearem um seu LP Strangeways, Here We Come (presídio londrino, algo como Carandiru, Aí Vamos Nós).

Não havia detentas no Carandiru, só homens. Mas a prisão londrina de Holloway, só para mulheres, tornou-se tristemente famosa pelos maus tratos impostos às prisioneiras, conforme documentado em duas canções de rock, Holloway Jail dos Kinks e Holloway Girls do Marillion. Os Rolling Stones, ao serem presos por drogas em 1967, agradeceram aos fãs que os defenderam com o compacto We Love You, que começa com o som de uma porta de cela sendo fechada. Obviamente, não se pode esquecer Elvis e seu filme Jailhouse Rock (Prisioneiro do Rock). E você sabia que a canção Unchained Melody tem este título (Melodia Desacorrentada) por surgir na trilha de um filme sobre presidiários? Temos ainda nomes de grupos como The Yardbirds ("pássaros de quintal", gíria óbvia para detentos) e The Inmates.

Realmente, com o perdão do trocadilho, este assunto prende a atenção.


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.