burburinho

o homem de seis milhões de dólares

televisão por Flávio P.C. dos Santos

A famosa série de ficção-científica dos anos setenta narra os trabalhos ao serviço da lei prestados por Steve Austin, interpretado por Lee Majors. O que a tornou inovadora na época, e a faz ser lembrada até hoje por isso, foi a presença de uma tecnologia até então pouco explorada por Hollywood, a cibernética. Estamos falando, é claro, de O Homem de Seis Milhões de Dólares.

Steve Austin era um astronauta que, durante o teste de uma aeronave, sofre um grave acidente e fica entre a vida e a morte (mais para a morte que para a vida). Então a organização OSI (Office of Scientific Intelligence), ligada ao governo americano, decide que Austin seria o primeiro ser humano a ter implantes biônicos em seu corpo. Eles acreditavam que poderiam recuperá-lo e torná-lo mais forte, mais rápido e melhor do que era. Foram, portanto, feitas as operações necessárias para a substituição das duas pernas, do olho esquerdo e do braço direito de Steve Austin por partes biônicas, o que custou seis milhões de dólares - hoje em dia fica difícil acreditar que seria possível reconstruir membros humanos com uma mixaria dessas, mas os tempos eram outros - em troca, ele teria que trabalhar para a OSI ajudando o governo a enfrentar criminosos.

Apesar de toda inovação nas aventuras vividas pelo homem biônico, uma das características mais fortes e mais lembradas até hoje desta série, era o efeito sonoro utilizado para dar destaque ao uso do poder biônico de Austin. Toda vez que ele corria, por exemplo, aquele sonzinho estranho entrava em cena. Além do som, a equipe de produção utilizou um outro recurso para driblar a falta de efeitos especiais mais elaborados: a câmera lenta. Apesar de Austin conseguir atingir velocidades incríveis com suas pernas biônicas, seus movimentos eram mostrados em slow motion. No caso dele pular grandes alturas ou levantar um carro com seu braço direito, a câmera lenta também era usada. Se não foi a melhor solução, foi com certeza um truque marcante.

Como muitas séries, O Homem de Seis Milhões de Dólares teve um longa-metragem que deu origem a tudo. Na verdade, foram produzidos três filmes para a tv antes da série ir ao ar em 1974. O primeiro se chamava Cyborg: The Six Million Dollar Man, dirigido por Richard Irving e baseado no romance de Martin Caidin. Depois vieram Wine, Women and War e The Solid Gold Kidnapping, ambos dirigidos por Russ Mayberry. Eram filmes mais sérios, mas quando iniciaram a produção do show decidiram adaptar um pouco o formato das histórias para atrair maior audiência, principalmente de crianças. A partir de então a série foi um sucesso e passou a ser explorada de várias maneiras. Foram lançados brinquedos, jogos de tabuleiro, discos com as músicas do seriado, histórias-em-quadrinhos, canecas, camisetas, e até uma nova série surgiu.

A Mulher Biônica, estrelada por Lindsay Wagner no papel de Jaime Sommers, mostrava uma heroína com a qual as meninas - e até mulheres mais velhas - poderiam se identificar. Um fato curioso é que Jaime foi apresentada ao público na série do homem biônico, mas sua parceria com Steve Austin estava programada para durar apenas dois episódios. A produção do show não tinha em mente que ali poderia ser criado um novo sucesso, até que, inúmeras cartas e telefonemas de telespectadores pedindo o retorno de Jaime chegaram à Universal e à MCA Pictures Television. Foi feita a vontade do público. O criador e produtor de O Homem de Seis Milhões de Dólares recebeu o desafio de trazê-la de volta às telinhas.

Mais curioso ainda é que a atriz Lindsay Wagner não pretendia encarnar novamente a mulher biônica. Ela tinha outros planos para sua carreira e além disso não se sentia atraída por ficção-científica. Entretanto, depois de muitas negociações e a pressão que sua própria mãe fez, Lindsay aceitou o papel. O Homem de Seis Milhões de Dólares era a série preferida da irmã mais nova de Lindsay e sua mãe achava que por isso ela deveria fazer a série da parceira do homem biônico. Enfim, a série foi ao ar, coincidência ou não, no dia do aniversário da irmã de Lindsay, em janeiro de 1976, e apresentou seu último episódio no dia 13 de maio de 1978. Neste mesmo ano, a série "progenitora" também teve seu desfecho.

Foram feitos três filmes para a tv derivados de ambos os shows: A Volta do Homem de Seis Milhões de Dólares e da Mulher Biônica (Return Of The Six Million Dollar Man and The Bionic Woman), O Desafio Final (Bionic Showdown: The Six Million Dollar Man and The Bionic Woman) e Biônicos para Sempre (Bionic Ever After?).


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.