burburinho

incubus

cinema por Nemo Nox

Um filme pode tornar-se objeto de culto por várias razões, entre elas a presença de um ator famoso em início de carreira, o uso de algum recurso estranho, um tema paradigmático, ou acontecimentos misteriosos por trás das câmaras. Incubus (EUA, 1965), escrito e dirigido por Leslie Steven, preenche todos estes requisitos.

O ator famoso em início de carreira é William Shatner, um ano antes de se transformar no capitão James T. Kirk da série Star Trek. Shatner já havia aparecido em um par de papéis importantes no cinema, como Alexi Karamazov em The Brothers Karamazov (EUA, 1958), do Richard Brooks, ao lado de Yul Brynner e Lee J. Cobb, e como capitão Byers em Judgment at Nuremberg (EUA, 1961), do Stanley Kramer, ao lado de um elenco monumental que incluiu Spencer Tracy, Burt Lancaster, Richard Widmark, Marlene Dietrich, Maximilian Schell, Judy Garland e Montgomery Clift.

O recurso estranho é o idioma usado nos diálogos, o esperanto. Criado por L.L. Zamenhof no final do século XIX, o esperanto tinha por objetivo se tornar uma linguagem internacional, funcionando como segunda língua para pessoas de qualquer nacionalidade. Apesar de isto nunca ter acontecido, acredita-se que cerca de dois milhões de pessoas sejam fluentes em esperanto hoje. Incubus foi o segundo filme a ser produzido completamente em esperanto, um ano após Angoroj ter sido dirigido por Atelier Mahé na França. A sonoridade estranha dos diálogos funciona em perfeita comunhão com a fotografia em preto e branco e os cenários bucólicos da aldeia quase em ruínas.

O tema paradigmático é nada menos que a luta do bem contra o mal. Um súcubo (Allyson Ames), espírito feminino especializado em seduzir homens, resolve que levar pecadores à perdição já não é suficiente e decide tentar desencaminhar um homem virtuoso. O escolhido é Marc (William Shatner), corajoso e bondoso veterano de guerra. Quando as coisas não correm como planejado, sua irmã (Eloise Hardt) invoca a presença de um íncubo (Milos Milos), espírito masculino especializado em seduzir mulheres, para conquistar a irmã de Marc (Ann Atmar), dando início a uma batalha pelas almas dos mortais.

Os acontecimentos misteriosos por trás das câmaras foram vários. Apesar de alguns dos envolvidos terem obtido sucesso profissional imediatamente após o lançamento de Incubus, como William Shatner sendo escolhido para o papel de capitão da Enterprise (que marcaria sua carreira na televisão e no cinema) ou o diretor de fotografia Conrad L. Hall recebendo sua primeira indicação para o Oscar (ele foi indicado em 1966, 1967, 1968, finalmente recebeu a estatueta em 1970 por Butch Cassidy and the Sundance Kid, foi indicado mais meia dúzia de vezes depois disso e acumulou três Oscars, os outros dois por American Beauty e Road to Perdition), nem todos tiveram a mesma sorte. Em 1966, Ann Atmar suicidou-se. No mesmo ano, Milos Milos assassinou sua namorada, Barbara Ann Thompson Rooney (esposa do ator Mickey Rooney), e em seguida suicidou-se. Mais tarde, a filha de Eloise Hardt foi raptada e assassinada. A empresa que produziu Incubus faliu pouco depois da estréia em San Francisco, onde estiveram presentes Roman Polanski (que depois fugiria dos EUA acusado de ter relações sexuais com uma menor de idade) e Sharon Tate (que seria assassinada pela família Manson juntamente com outras vítimas). Os negativos originais e todas as cópias restantes de Incubus acabaram se perdendo, e somente em 1996 foi descoberta uma cópia na Cinémathéque Française em Paris, a partir da qual foi criada a versão restaurada disponível hoje em vhs e dvd.

Ao assistir Incubus, tente esquecer que o protagonista se transformou no capitão da Enterprise ou que parte do elenco morreu de forma trágica. Em vez disso concentre-se na sonoridade transgeográfica dos diálogos e no universo surreal que parece uma mistura de Bergman (com loiras elegantes andando pela praia), Raimi (com seres do além saindo da sepultura), Polanski (com cenas violentas de estupro) e Buñuel (com imagens oníricas como o bode na igreja). Gxis revido!


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.