burburinho

dorothy parker

livros por Alexandre Inagaki

Dorothy Rotschild Parker (1893-1967) escreveu contos, poemas e críticas que foram impressos em algumas das melhores publicações americanas de todos os tempos em seu auge de qualidade: The New Yorker, Esquire, Vanity Fair. Sua produção literária, porém, foi por muito tempo ofuscada pela ferocidade de suas tiradas verbais. Alguns exemplos:

* Um de seus desafetos foi Clare Booth Luce, mulher do editor da revista Time. Pois reza a lenda que ambas se cruzaram em uma porta giratória. Clare, mais jovem, deixou que Dorothy passasse primeiro pela porta, não sem antes cutucá-la: "As velhas, antes das belas". Parker retrucou imediatamente: "As pérolas, antes das porcas". Não é preciso dizer que Dorothy por muito tempo foi boicotada das páginas da Time.
* Ainda sobre Booth Luce, quando lhe disseram que sua rival era gentil com seus inferiores, Mrs. Parker perguntou: "Mas onde ela os encontra?"
* Ao escrever sobre certa madame da socidade novaiorquina, Dorothy desferiu a seguinte observação: "Aquela mulher domina dezoito idiomas, e não consegue dizer 'não' em nenhum deles". Nunca mais foi convidada para as festas da poliglota socialite.
* Ao resenhar um livro para a Esquire, resumiu sua opinião em apenas duas frases: "Este não é um livro para ser deixado casualmente de lado. É para ser atirado longe com toda a força".

Contudo, repito o erro que muitos cometem ao reproduzir suas deliciosas tiradas, deixando em segundo plano sua verve literária. Mrs. Parker é a mestra do humor amargo. Seus contos e poesias são impregnados de reflexões sobre amor, tristeza e solidão. Dorothy, porém, desfaz qualquer resquício de sentimentalismo cunhando tiradas humorísticas que fazem seus leitores gargalharem enquanto acalentam suas próprias melancolias. Imperdíveis, por exemplo, são os seus versos curtos, publicados em três livros: Enough Rope, Sunset Gun e Death and Taxes. Alguns exemplos:

Resumo
Giletes machucam;
Rios são úmidos;
Ácidos mancham;
Drogas dão cãimbras.
Armas são ilegais;
Nós escorregam;
Gases fedem;
Acho melhor você viver.

Infeliz Coincidência
Enquanto você jura que é dele,
E treme, e suspira leniente,
E ele declara que infinita e imortal
É a paixão que sente -
Lady, faça uma nota disto:
- Um de vocês mente.

Entrelinhada em seus versos e prosas (leitoras, não deixem de conferir Um Telefonema, dociamarga descrição da espera pela ligação de "alguém") está a vida de uma mulher que, após ter convivido com nomes como Noël Coward, os irmãos Marx, George Kaufman e Nathanael West, e viajado à Espanha durante a guerra civil apenas para apoiar os republicanos, morreu pobre e esquecida, de ataque cardíaco, aos 74 anos. Irônico: no auge do sucesso, durante a Era do Jazz nos anos vinte e trinta, Mrs. Parker tentou o suicídio três vezes. Seu melhor amigo, o crítico e humorista Robert Benchley, proferiu-lhe um conselho: "Dorothy, pare com isso. Suicídios fazem mal à saúde." Pois Dorothy sobreviveu a quase todos da sua geração, inclusive a Benchley, que, morto de cirrose hepática em 1945, suscitou o seguinte comentário de Parker: "Coitado do filho da puta!"


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.