burburinho

as 1001 noites

livros por Nemo Nox

Quem conseguir uma versão completa de As 1001 Noites, vai notar que os vários volumes repletos de histórias não somam as prometidas mil e uma. Na verdade, desde a primeira edição ocidental, traduzida para o francês em 1704 por Antoine Galland, as histórias nunca passaram de 281.

Para quem reclamou sobre as 720 restantes, foram dadas duas explicações diferentes. Uma delas é que cada história divide-se em vários capítulos, cada um correspondendo a uma das noites, que seriam mesmo 1001 no total. Outra desculpa é que o número 1001 nada mais seria que uma hipérbole, um exagero literário indicando um número enorme de histórias. A verdade é que As 281 Noites não seria um título tão convincente.

Traído por sua esposa, um sultão resolve punir todas as mulheres do seu reino pelo crime de uma só. E passa a ser lei que a cada noite desposará uma nova mulher, para matá-la na manhã seguinte. A filha do vizir, Sherazade, elabora um plano para botar um fim no massacre. Oferece-se para casar com o sultão, e na noite de núpcias começa a contar-lhe uma história, deixando-a inacabada ao amanhecer. Curioso para saber o desfecho, o sultão permite que a moça viva mais um dia para terminar a história. E assim Sherazade continua suas narrativas, parando sempre ao amanhecer num momento de suspense, para que o sempre curioso sultão lhe conceda mais um dia de vida. Ao final das 1001 noites de histórias, o sultão já tem três filhos com Sherazade e está apaixonado pela esposa. Decide acabar com a sua vingança e abolir a lei das esposas, e como em qualquer conto de fadas que se preze, vivem todos felizes para sempre.

As 1001 Noites é um conjunto de fábulas morais encaixadas nos costumes sociais do Oriente Médio, onde o herói quase invariavelmente se transforma em milionário. Dentre as histórias mais famosas estão as de Aladin (o rapaz preguiçoso que se transforma num príncipe graças à ajuda de um gênio encontrado numa garrafa), de Sinbad (o marinheiro que fica rico em sete viagens fantásticas) e de Ali Babá (que consegue fortuna enganando os famosos quarenta ladrões).

Existem inúmeras versões de As 1001 Noites, originadas de incontáveis traduções diferentes. A menção mais antiga a uma história chamada O Livro das Histórias das Mil Noites, tendo já como protagonista uma tal Shahrazâd, é do século IX. Durante séculos, várias versões são mencionadas aqui e ali, mas somente no século XVIII o interesse aumenta significativamente, com a tradução de Antoine Galland. As versões mais populares hoje em dia são as que se baseiam em traduções de Sir Richard Burton (1850) e Andrew Lang (1898), geralmente adaptadas para eliminar as várias cenas de sexo do original.


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.