burburinho

oferenda musical

música por Nemo Nox

Johann Sebastian Bach (1685-1750) fez muita música e muitos filhos. Um destes últimos, Karl Philipp Emanuel Bach (1714-1788), também compositor, chegou a ser músico da corte de Frederico II (1712-1786), rei da Prússia, grande mecenas do século XVIII.

Frederico não só patrocinava artistas e pensadores de diversas áreas como também escrevia ensaios, tocava flauta e eventualmente compunha. Grande apreciador da música do velho Bach, muitas vezes havia comentado com Carl Philipp como gostaria que seu pai fizesse uma visita à corte. Em 1747, seu desejo tornou-se realidade e Johann Sebastian foi a Postdam, onde experimentou os diversos pianos do rei (na época, os pianos começavam a tornar-se populares e a substituir os cravos) e improvisou sobre vários temas, inclusive sobre um criado pelo próprio Frederico.

Depois de voltar para casa, em Leipzig, o velho Bach resolveu retrabalhar os improvisos sobre o tema de Frederico. O resultado (dez canons, uma fuga a três vozes, uma fuga a seis vozes, e uma sonata), enviado como presente ao rei, levou o título de Musikalisches Opfer (Oferenda Musical) e entrou para a história como um exemplo notável da criatividade de Johann Sebastian.

Um canon é uma melodia tocada por mais de um instrumento (chamados vozes), entrando sucessivamente um após o outro e sobrepondo-se formando um tecido harmônico. Um exemplo é o popular Frère Jacques. Evidentemente, tratando-se de Bach, estamos falando de algo bem mais elaborado que a simples repetição alternada de um mesmo tema. Nos canons da Musikalisches Opfer, todos os tipos de variações aparecem: vozes em outros tons, vozes em velocidades diferentes, vozes invertidas, vozes espelhadas.

Como o canon, uma fuga é uma forma de contraponto (combinação de vozes simultâneas, cada uma com significado próprio e o todo resultando numa textura coerente), porém com muito mais liberdade criativa e espaço para variações menos rígidas em relação ao tema principal. Combinar duas ou três vozes de forma a fazerem sentido tanto como melodia individual como em harmonia com as outras, e ainda formarem um conjunto agradável e interessante para o ouvinte, não é tarefa fácil. Fazer o mesmo com quatro ou cinco vozes exige grande habilidade. O Wohltemperierte Klavier (Cravo Bem-Temperado), conjunto de 48 prelúdios e fugas de Johann Sebastian Bach, por exemplo, traz somente duas fugas a cinco vozes. Mas em Musikalisches Opfer o velho Bach ultrapassa a si mesmo e, apesar do tema não exatamente simples do rei Frederico, apresenta uma complicada, elegante e deliciosa fuga a seis vozes.

A peça mais curiosa do conjunto, porém, talvez seja o Canon per Tonos, a três vozes: a melodia sobe um tom cada vez que é executada, simbolizando, segundo o próprio autor, a glória ascendente de Frederico. O canon começa em Dó menor, chegando ao início da segunda parte em Ré menor, e assim sucessivamente, até que, depois de seis repetições, estamos de volta ao Dó menor, agora uma oitava acima. Uma circularidade bem ao gosto dos jogos musicais do velho Bach.


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.