burburinho

new orleans suite

música por Nemo Nox

Duke Ellington já era uma consagrada personalidade do jazz quando foi convidado por George Wein para compôr a New Orleans Suite, a ser apresentada no New Orleans Jazz Festival de 1970.

Apesar de ter nascido em Washington, Ellington sempre teve estreito contato com a capital do jazz, principalmente através de Sidney Bechet, de quem era fã declarado, mas também de outras grandes figuras como Joe Oliver e Louis Armstrong.

Assim, Duke Ellinton não perdeu a oportunidade e logo rumou para New Orleans com a sua banda, para criar in loco a homenagem musical. Antes do início do festival, o grupo apresentou-se regularmente no Al Hirt's Bourbon Street Club, noite após noite criando e recriando as primeiras peças da suíte. Quando o conjunto foi oficialmente apresentado, George Wein declarou-se "exultante": "É Duke em sua melhor forma!"

Quando apresentada no New Orleans Jazz Festival, a New Orleans Suite era composta de somente cinco partes. Blues for New Orleans, peça de abertura, cativa imediatamente com um dueto de órgão e piano, respectivamente levados por Wild Bill Davis e o próprio Duke Ellington. O grande Johnny Hodges aparece com seu sax, no que foi sua última gravação, tendo morrido poucos dias depois.

Enquanto Blues for New Orleans homenageava o blues vocal que tanto influenciou o jazz, Bourbon Street Jingling Jollies reverencia a rua mais importante para os músicos da cidade. Para obter o efeito desejado, Ellington usou uma flauta, instrumento pouco comum em sua obra, habilmente tocada por Norris Turney. Thanks for the Beautiful Land on the Delta evoca a importância da religião na música de New Orleans, com citações aos hinos cantados nas igrejas sulistas. Em Second Line, talvez a mais popular peça do conjunto, quis emular a alegria e o vigor dos dançarinos de rua de New Orleans, que, guarda-chuvas em punho, acompanham as paradas musicais da cidade. Destaque para o clarinete de Russel Procope. Fechando a suíte original, gravada em abril de 1970, Aristocracy a la Jean Lafitte homenageia o aristocrático pirata que, segundo alguns, teria sido o herói salvador da cidade.

A New Orleans Suite ainda ganhou mais quatro peças, os retratos, gravados em maio de 1970. Duke Ellington queria homenagear também os grandes nativos da cidade e escolheu quatro dos nomes que mais admirava, dedicando um tema a cada um. Louis Armstrong, Wellman Braud, Sidney Bechet e Mahalia Jackson foram os contemplados

Como conjunto, New Orleans Suite é um dos melhores discos de Duke Ellington, apresentando um jazz maduro, consciente de suas raízes e ao mesmo tempo sem medo de ser tipicamente ellingtoniano. Uma escolha acertada para quem quiser se deliciar com o mestre Duke.


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.