burburinho

musashi

livros por Nemo Nox

Miyamoto Musashi (1584-1645) é um dos heróis nacionais do Japão. Vivendo num período histórico de transição, onde os tradicionais métodos dos samurais eram aos poucos substituídos por armas de fogo (ainda primitivas), ele simbolizou o auge do bushido (caminho do guerreiro), onde um homem com uma espada na mão representava o máximo da realização individual.

Vários espadachins percorriam o país, alguns simplesmente procurando um adversário famoso como forma de promoção, outros realmente buscando aperfeiçoar sua técnica. Musashi era um destes aventureiros, e nunca foi derrotado em combate, apesar de ter enfrentado mais de sessenta oponentes, algumas vezes mais de um simultaneamente.

Musashi, o livro de Eiji Youshikawa, publicado no Brasil pela editora Estação Liberdade, conta parte da vida de Miyamoto, mas é apenas levemente inspirado nos fatos históricos. A maior parte dos personagens saiu da imaginação do autor, e mistura-se livremente com outros que realmente existiram. O esqueleto da narrativa, porém, segue a trajetória histórica do famoso espadachim. Começamos na batalha de Sekigahara e acompanhamos Musashi por sua peregrinação e vários de seus duelos, como contra Muso Gonnosuke, contra Shishido Baiken, os três duelos contra mestres e discípulos da academia Yoshioka, e o mais famoso de todos, contra Sasaki Kojiro. Entre um duelo e outro (e nem são tantos assim, consideradas as quase duas mil páginas de Musashi), conhecemos os dramas de personagens secundários como o amigo desorientado Matahashi, a vingativa velhinha Osugi, os discípulos mirins Joutaro e Iori, e o romance açucarado de Outsu, eternamente apaixonada por Musashi.

O verdadeiro Musashi nasceu na aldeia de Miyamoto, província de Mimasaka, e se chamava Shinmen Musashi No Kami Fujiwara No Genshin. De seu pai, Shinmen Munisai, um goushi (pequeno fidalgo rural, algo entre um camponês e um samurai), teve as primeiras lições com a espada. Aos treze anos, travou seu primeiro duelo, vencendo o então famoso espadachim Arima Kibei. Musashi sempre primou por uma inacreditável falta de higiene, raramente tomando banho e ainda orgulhando-se disto. No livro, Yoshikawa alude sutilmente a estes péssimos hábitos, mas raramente entra em detalhes.

Musashi foi originalmente publicado em pequenos capítulos diários no jornal Asahi Shimbum, entre 1935 e 1939. E a narrativa tem mesmo um estilo folhetinesco, cheio de encontros e desencontros, misturando uma longa história de amor com episódios de aventura, tudo recheado de coincidências inacreditáveis. A ação é muitas vezes surpreendente para o leitor acostumado com histórias ocidentais. Quando esperamos que Musashi acabe com seus inimigos, ele prefere fugir. Quando achamos que não haverá combate, ele desembainha a espada. Quando tudo indica que o beijo dos apaixonados finalmente acontecerá, a mocinha amedronta-se. Estes comportamentos inesperados talvez sejam fruto simplesmente de diferenças culturais, já que Musashi é, por natureza, um produto destinado ao grande público. Depois de aparecer em 1013 capítulos diários, foi transformado em livro e vendeu mais de cento e vinte milhões de exemplares no Japão. Serviu também como fonte de inspiração para diversos filmes (o mais conhecido tendo Toshiro Mifune como protagonista) e séries de TV, e até mesmo para as histórias em quadrinhos de Usagi Yojimbo, onde o espadachim é um coelhinho branco.

Além de ter sido um duelista imbatível, Musashi também se dedicou a outras artes, como a caligrafia e a escultura, e chegou a escrever livros sobre esgrima e estratégia. Seu tratado mais conhecido é o Gorin No Sho (Livro dos Cinco Elementos). Mas talvez sua maior proeza seja a de ter criado um estilo de luta com duas espadas, chamado Niten Ichi-Ryu. Um dos fios condutores da narrativa de Musashi é exatamente o nascimento deste estilo, desde a primeira idéia, instintiva, até as poéticas considerações sobre a luta com duas armas.

Quem gosta de uma boa e leve aventura e não se intimida frente a milhares de páginas vai encontrar nos dois grossos volumes de Musashi muitas horas de diversão, além de poder aprender um pouco sobre a história e os costumes do Japão antigo.


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.