burburinho

robert johnson

música por Nemo Nox

Apesar de ter morrido aos 27 anos, Robert Johnson teve um impacto fortíssimo na história do blues. Isto ficou mais do que provado em 1990, quando a Columbia lançou a caixa com dois CDs The Complete Recordings of Robert Johnson esperando vender algo em torno de vinte mil cópias e acabou vendendo cerca de quinhentas mil, além de conquistar um prêmio Grammy.

Robert Johnson nasceu em 8 de maio de 1911, no Mississippi, EUA. Casou-se aos 18 anos e logo no ano seguinte sua esposa morreu ao dar à luz. Voltou a casar-se em 1931 e a partir de então passou a viajar pelo sul dos EUA com seu violão. Curiosamente, Johnson gravou somente 29 músicas (The Complete Recordings of Robert Johnson traz 41 faixas porque inclui mais de uma versão de cada música). Foi o suficiente para deixar sua marca para sempre. Confessam-se influenciados por ele astros do blues e do rock como Elmore James, Muddy Waters, Eric Clapton e Keith Richards, para citar somente alguns.

Robert Johnson participou de apenas duas sessões de gravação, ambas no Texas, a primeira num hotel de San Antonio, em 1936, e a segunda num armazém em Dallas, no ano seguinte. Logo depois, morreria envenenado por uma dose de whiskey com estricnina, oferecida a ele por um marido ciumento. Existem outras versões sobre sua morte, dizendo que poderia ter sido envenenado inadvertidamente por whiskey caseiro de má qualidade ou mesmo assassinado a tiros pelo pai de uma namorada. A biografia de Johnson sempre foi cercada por névoa, e talvez nunca saibamos o que realmente aconteceu.

Conta a lenda que Johnson teria vendido a alma ao demônio para obter o seu talento e a sua habilidade com o violão. No supersticioso sul dos EUA do início do século, eram comuns os mitos demoníacos, e o tema fazia parte da tradição do blues. O próprio Johnson gravou Me and the Devil Blues, Hellhound on my Trail, Crossroad Blues, todas com alusões ao diabo, o que somente colaborou para reforçar a lenda. O filme A Encruzilhada (Crossroads, EUA, 1986, de Walter Hill), com música de Ry Cooder, usa esta idéia para criar uma história vagamente inspirada em Robert Johnson.

Na verdade, não importa. Inspirado por demônios ou por anjos, por mulheres ou por whiskey, Robert Johnson conseguiu moldar a alma do blues.


pensamentos despenteados para dias de vendaval
Copyright © 2001-2005 Nemo Nox. Todos os direitos reservados.